Recentes :

DEPRESSÃO : O MAL INVISÍVEL - 3

Desencadeada por um desequilíbrio na atividade química do cérebro, a depressão pode afetar todo o organismo. Muitas vezes, queixas que parecem distantes, como dores de estômago, podem ser manifestações físicas do problema

1. Quando o cérebro detecta uma situação estressante ou angustiante, estruturas como o hipotálamo, a amídala e a glândula pituitária ficam em alerta. Elas trocam informações entre si e enviam sinalizadores químicos e impulsos nervosos que preparam o corpo para os momentos difíceis

2. As glândulas supra-renais reagem ao alerta liberando adrenalina, o que faz o coração bater mais rápido e os pulmões trabalharem mais para oxigenar o corpo. As células nervosas liberam noradrenalina, que tensiona os músculos e aguça os sentidos. A digestão fica prejudicada, o que pode provocar enjôos

3. Depois que a influência externa passa, os níveis hormonais caem, mas se as crises forem muito freqüentes, tais substâncias podem danificar as artérias. Casos crônicos levam a um sistema imunológico enfraquecido, perda de massa óssea, supressão da capacidade reprodutiva e problemas de memória

  1. Lobo Occiptal   
  2. Cerebelo
  3. Cerebelo corte
  4. Lobo parietal e frontal
  5. Hipotálamo
  6. Glândula pituitária
  7. Amídala
  8. Hipocampo
  9. Medula espinhal e espinha
    Padrões de atividade cerebral na depressão 
    A serotonina e a noradrenalina podem desempenhar um papel importante nos sintomas da depressão

    * O sistema nervoso central processa informações e modula as respostas de dor por meio das vias descendentes da dor

    * Acredita-se que a 5-HT e a NA sejam dois dos neurotransmissores moduladores na via inibitória descendente e façam parte do sistema analgésico endógeno corporal

    * Uma redução dos níveis de 5-HT e NA na medula espinhal pode resultar em um aumento de sensibilidade à dor

    Principais sintomas somáticos
    * Dor muscular
    * Dor abdominal
    * Dor na região lombar
    * Dor no peito/no coração
    * Dor de cabeça
    * Dor nas articulações
    * Dor no pescoço

    Antidepressivos são drogas que aumentam o tônus psíquico, melhorando o humor e a psicomotricidade de maneira global. Todos regulam a secreção e a captação de neurotransmissores, mas são classificados de acordo com a ação que desempenham.

    Antidepressivos tricíclicos (ADT)
    Os ADTs agem no sistema límbico, que é a área do cérebro que cuida das emoções. Ele aumenta a quantidade de serotonina e de noradrenalina na fenda sináptica (região entre os neurônios, onde ocorrem os impulsos elétricos). O efeito é conseguido de duas maneiras: ao mesmo tempo que o medicamento impede a recaptação das substâncias, ele diminui a quantidade de receptores. Assim, a concentração dos neurotransmissores aumenta. São indicados para tratamento diversos: depressão associada com esquizofrenia e distúrbios de personalidade; distimia (mau humor crônico); depressão pós-traumática ou psicopática; síndromes obsessivo-compulsivas; fobias e ataques de pânico.

    Inibidores da mono-aminaoxidase (IMAO)
    Os antidepressivos do tipo IMAO aumentam a disponibilidade da serotonina no cérebro. Essa classe de medicamentos inibe a ação da monoaminaoxidase, enzima responsável pelo metabolismo desse neurotransmissor. O bem-estar é efeito do aumento da concentração de serotonina nos locais de armazenamento, em todo o sistema nervoso central ou no sistema nervoso simpático. Acredita-se que a ação antidepressiva dos IMAOs se relacione também com alterações nos receptores (em número e sensibilidade), mais até do que com o bloqueio da recaptação dos neurotransmissores. Isso explicaria o atraso de duas a quatro semanas na resposta terapêutica.

    Inibidores seletivos de recaptação da serotonina (ISRS)
    O efeito antidepressivo dos ISRS é conseqüência do bloqueio da recaptação da serotonina. O aparecimento de efeitos colaterais, assim como o risco de superdosagem, é menor do que nos ADT. Mesmo assim, alguns desses remédios têm ação anorexígena, levando à redução do peso corporal. São indicados para o tratamento dos transtornos depressivos, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), transtorno do pânico, transtornos fóbico-ansiosos, dor de cabeça crônica e transtornos alimentares. Alguns médicos recomendam a substância também para o tratamento do abuso do álcool.

    Antidepressivos atípicos
    São os antidepressivos que não se caracterizam nem como tricíclicos nem como ISRS nem como IMAOs. Alguns deles aumentam a transmissão de noradrenalina no sistema nervoso central, ao mesmo tempo que regulam a interação da serotonina com seus receptores. Outros são inibidores da recaptação de serotonina e noradrenalina. Algumas dessas drogas também costumam reduzir a sensibilidade dos receptores da noradrenalina, levando a um início de efeito mais rápido. Certos atípicos não inibem a recaptação da serotonina no neurônio pré-sináptico, mas induzem sua recaptação pelos neurônios do córtex, do hipocampo e do sistema límbico. As melhoras sintomáticas já podem ser observadas entre o 3º e o 5º dias.

    FERTILIZANTES

    Ao impedirem a recaptação da serotonina ou da noradrenalina, os medicamentos aumentam a disponibilidade desses neurotransmissores na fenda sináptica

    Região intraneuronal: maior concentração de neurotransmissores
    Fonte: Geraldo José Ballone, psiquiatra, coordenador do site PsiqWeb

    Ilustrações: Zé Otávio Zangirolami
    A partir da revista Galileu.(n. 164-Fev/2005). Leia no original
    Compartilhe no Google Plus

    Nota : João Casmurro

    Volte sempre.
      Comente
      Comente no Facebook

    0 comentários:

    Postar um comentário

    Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

    REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

    O espaço de comentários do Blog Quero Morrer é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

    1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
    2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
    3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
    4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
    6. que caracterizem prática de spam;
    7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.