Recentes :

BIPOLAR: FELICIDADE INTENSA OU TRISTEZA PROFUNDA


Cerca de 8% da população apresenta os sintomas mais marcantes do transtorno bipolar: a montanha-russa de humor.

O transtorno bipolar vem ganhando cada vez mais espaço na mídia e seus sintomas passaram a ser conhecidos de uma maneira mais ampla. Provavelmente, isso se deve aos avanços nos últimos anos para tentar esclarecer os mecanismos da doença. E, não muito raro, pessoas famosas, conhecidas por suas variações de humor, admitem o problema.

O diagnóstico não é tão simples. Isso porque o transtorno é caracterizado pelos extremos. Em alguns momentos – e esse estado pode durar dias, semanas ou meses – a pessoa fica eufórica e pode sentir prazer extremo, alegria estonteante, autoestima elevada e uma sensação de poder incrível. Há quem não tenha sequer sono. Mas, na fase seguinte, que também pode durar dias, semanas ou meses, ela experimenta o outro lado da moeda. E vai da euforia à tristeza. São períodos de depressão profunda, em que nada lhe dá prazer e a rotina não faz mais sentido. Há quem sinta sono demais ou exagere na comida nessa fase.

Esse efeito montanha-russa tem consequências desastrosas para as esferas pessoal e profissional e, em geral, o paciente só procura ajuda quando a maré está baixa. Isso torna o diagnóstico mais difícil. Nesse período, é comum que o portador do transtorno seja tratado como alguém deprimido. Daí, para muitos especialistas, a importância da família nas consultas. São os pais, a esposa ou o marido que podem dar subsídios para o médico traçar um panorama mais completo.

Sabe-se que a genética tem forte influência na origem do transtorno. Segundo a Associação Brasileira de Transtorno Bipolar, 50% dos portadores da doença têm pelo menos um familiar com o problema. Acredita-se que cerca de 8% da população apresente os sintomas mais marcantes entre 15 e 25 anos. Mas já existem crianças diagnosticadas. A vantagem de perceber cedo esses estados alterados de humor é que o tratamento tende a ser mais eficiente. No entanto, ainda não é possível falar em cura, apenas em controle.

O transtorno bipolar pode vir à tona depois de períodos de estresse intenso. Outro dado interessante é que essas alterações de humor aumentam o estresse oxidativo das células, ou seja, a saúde de quem sofre do transtorno tende a se deteriorar mais rapidamente porque o organismo envelhece em um ritmo mais acelerado. Portanto, o diagnóstico e o tratamento devem ser iniciados o quanto antes para controlar a evolução da doença.

A doença afeta homens e mulheres, mas estudos sugerem que elas apresentam mais episódios de depressão e estados de alternância entre a tristeza e a euforia.

O transtorno não escolhe sexo. Homens e mulheres são vítimas, mas estudos sugerem que as mulheres apresentam mais episódios de depressão e estados mistos, em que a tristeza e a euforia trocam de papéis vertiginosamente.

Atualmente, os medicamentos mais usados para tratar o problema são os estabilizadores de humor. E, para casos mais graves, há a eletroconvulsoterapia, na qual se altera a atividade elétrica do cérebro por meio de corrente elétrica. De qualquer forma, a psicoterapia é sempre necessária para ajudar o paciente a entender a doença, aceitá-la e, assim, voltar a encarar a vida com mais coragem e menos medo de ver sua rotina em uma eterna corda bamba.

Compartilhe no Google Plus

Nota : João Casmurro

Volte sempre.
    Comente
    Comente no Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Quero Morrer é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.