Recentes :

DEPRESSÃO: REMISSÃO SURGE COMO NOVO TRATAMENTO

Os danos são graves: de cansaço e tristeza exagerada até problemas de relacionamento com a família e amigos e falta de motivação para trabalhar e se divertir. A depressão muda toda a vida do paciente enquanto não é totalmente controlada. Como a doença é incurável e durante toda a vida a pessoa corre o risco de reincidir – o que vai potencializando os prejuízos para a saúde –, os médicos garantem: a nova tendência de tratamento é apostar na remissão (desaparecimento) dos sintomas.

“Hoje, o objetivo não é só amenizar sinais, mas frear a evolução da doença até que eles desapareçam de vez e o médico verifique que estão controlados a ponto de não comprometer mais o bem- estar do paciente e têm chances mínimas de voltarem”, comenta Rakesh Jain, professor clínico associado da University of Texas Medical School. O assunto foi um dos temas discutidos no Depression Forum, evento realizado entre os dias 9 e 11 deste mês em São Paulo reunindo médicos psiquiatras de todo o Brasil.

Ele explica que o mecanismo é bastante parecido com o que se busca no tratamento do câncer. “Quando a pessoa tem um câncer, os tumores precisam ser completamente tirados do corpo para que a doença não volte, já que mesmo um pequeno resquício pode desencadear um novo episódio. Com a depressão, a lógica é parecida e os sintomas devem ser totalmente extintos para que o paciente receba alta do tratamento.”

O objetivo é evitar uma realidade constante entre os pacientes: após algumas semanas tomando a medicação, eles tendem a se sentir melhores e logo abandonam o tratamento. O problema é que a doença volta – e muito pior – em poucos meses. Pesquisas mostram que cada surto depressivo é sempre mais forte que o anterior e, quanto mais episódios uma pessoa tem, mais danos para o corpo e para o cérebro vão sendo registrados.

Estudos usando tomografias revelam que pacientes recorrentes têm uma redução do tamanho do cérebro, o que vai comprometendo algumas funções do corpo, como a memória. “Como os episódios vão se tornando cada vez mais frequentes, intensos e difíceis de serem controlados, o tratamento precisa ser ainda mais incisivo e demorado para surtir efeito”, diz Jain.

Tratamento

O professor titular do Depar­­tamento de Psiquiatria da Uni­versidade Federal de São Paulo (Unifesp) José Alberto Delporto alerta que, caso a pessoa não atinja a remissão completa, as chances de ter uma recaída em alguns meses ou anos é grande. “Há estudos que mostram que a pessoa depressiva tem 50% de chances de ter uma recaída em até um ano. Por isso, é impossível falar de depressão sem associá-la a um tratamento de qualidade.”

Segundo Jain, é importante que o tratamento utilize não apenas um, mas uma combinação de todos os métodos disponíveis de controle do problema. “A primeira recomendação é fazer exercícios físicos e apostar na psicoterapia com um profissional de confiança. A medicação só deve entrar em cena em casos em que o médico verifique que esses recursos não foram suficientes.”

Mesmo assim, o paciente deve manter o acompanhamento para que as doses do remédio sejam diminuídas gradualmente, conforme seu quadro depressivo melhore, ou mesmo trocadas, caso não surtam efeito. E, mesmo após a remissão, o pa­­ciente deve continuar marcando consultas periódicas com seu médico.

Alerta

Diagnóstico tem de ser preciso

Para os especialistas, um dos problemas do diagnóstico de depressão é que frequentemente são propostas formas de tratar os sintomas e não a doença. “Pessoas depressivas têm problemas de sono e o médico acaba receitando medicamentos para insônia. A pessoa dorme melhor, mas a depressão não será controlada”, alerta o psiquiatra indiano Rakesh Jain.

A situação desperta atenção devido ao caráter dos medicamentos. “Os pacientes tendem a ficar dependentes dos remédios e passam a usá-los para resolver os sintomas sem se livrar da doença.”

Controle

Tempo de tratamento é variado

O médico psiquiatra e professor da Uni­­versity of Texas Medical School Rakesh Jain explica que o tempo de tratamento da depressão varia muito entre os pacientes. “Imagine que a pessoa tem uma fratura no braço. Dependendo da gravidade do problema, ela pode imobilizar o membro por algumas semanas ou ficar incapacitada por meses e, após a retirada do gesso, ainda fazer sessões de fisioterapia. Com a depressão, o processo é semelhante e tudo depende da gravidade.”

Segundo ele, nos casos de pa­­cientes com apenas um episódio de de­­pressão, o tratamento dura cerca de um ano. Nos que já tiveram pelo me­­nos três surtos anteriormente, o tempo é muito maior. “São anos sob efeito da medicação e, em al­­guns casos, o paciente passa o resto da vida em acompanhamento. O importante é que, se o médico nota que a pessoa es­­tá melhorando, deve ir tirando a me­­dicação conforme ela for avançando.”


Características

Tristeza pode não ser sinal de depressão

O sintoma mais frequente para identificar a depressão é a tristeza exagerada, certo? Pois pes quisas recentes defendem que nem sempre isso é verdade. Segundo José Alberto Delporto, professor do departamento de psiquiatria da Unifesp, é comum o paciente deprimido apresentar um quadro de tristeza profunda, geralmente associado a outros sintomas, como cansaço e falta de energia, mas não são raros os casos em que o paciente não apresenta esse sinal.

O limite para identificar a tristeza característica da depressão e aquela comum do dia a dia, no entanto, é bastante tênue. “Esse sentimento faz parte do repertório humano e é muito comum a pessoa ter um dia feliz hoje e outro não tão bom amanhã, mas a tristeza passa a ser patológica quando afeta o paciente de uma maneira que impede prejudica seu trabalho, a vida em família, o contato com os amigos e ele passa a abrir mão de coisas que gostava de fazer porque não consegue superar esse sentimento negativo.”

Uma das características principais da doença é o alentecimento – diminuição do ritmo – das manifestações do corpo. “A pessoa perde a vitalidade de uma maneira que passa a ter um retardo psicomotor, falava muito devagar, anda igualmente de maneira lenta e tudo vai ficando em um ritmo cada vez mais arrastado.”

Sintomas

Os principais sintomas da depressão são cansaço excessivo, falta de energia, fadiga e dor. Os pacientes também apontam outras queixas, como insônia ou excesso de sono, problemas de apetite (comer demais ou de menos) e queixas gastrointestinais. Para reconhecer a doença, é importante que as manifestações durem pelo menos alguns meses.

Entre as crianças, o mais comum é elas ficarem apáticas, deixarem de brincar e fazerem atividades que gostam e terem episódios frequentes de irritabilidade.

“Às vezes, é aquela criança birrenta ou que arruma briga por qualquer coisa e os pais acham que é uma fase. Na verdade, é a depressão dando seus primeiros sinais.”

Compartilhe no Google Plus

Nota : Editor

Volte sempre.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

4 comentários:

  1. Se existe um Deus tão sabio como dizem, não entendo o pq ele não me faz morrer logo. Sera que divirto ele com minha tristeza, eu não peço nada, não quero dinheiro, emprego bom, carro, casa... nada disso o não quero mais existir!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Eu também não quero mais existir, só isso. Será que é tão dificil entender que viver é chato e angustiante... Eu só não tive coragem ainda de me matar por causa da minha familia, fico pensando em como meus pais ficariam tristes sem mim e ao mesmo tempo penso em como eu sou uma merda na vida deles, sou medíocre, tenho 15 anos e sou um fracasso, só tiro notas baixas, sou feia, nada do que eu faço é tão bom comparado ao que meus amigos fazem que são melhores do que eu é claro, eu simplesmente me odeio eu não quero mais saber da minha existencia. Apenas. Gostaria de saber me mato ou não? eu quero muito isso mais não quero machucar meus pais..

    ResponderExcluir
  3. Eu também não quero mais existir, só isso. Será que é tão dificil entender que viver é chato e angustiante... Eu só não tive coragem ainda de me matar por causa da minha familia, fico pensando em como meus pais ficariam tristes sem mim e ao mesmo tempo penso em como eu sou uma merda na vida deles, sou medíocre, tenho 15 anos e sou um fracasso, só tiro notas baixas, sou feia, nada do que eu faço é tão bom comparado ao que meus amigos fazem que são melhores do que eu é claro, eu simplesmente me odeio eu não quero mais saber da minha existencia. Apenas. Gostaria de saber me mato ou não? eu quero muito isso mais não quero machucar meus pais..

    ResponderExcluir
  4. Eu não aguento mas, minha vida está um caos, literalmente.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Quero Morrer é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.