Recentes :

DEPRESSÃO. E AGORA !?


Hoje em dia, já não é tão difícil falar sobre depressão; afinal, ela já foi classificada como “o mal do século”. Ainda há muito preconceito quando se fala nela. Muitas pessoas acham que depressão é doença “de quem não tem o que fazer”, de pessoas fracas, que não rezam nem lutam, mas isso não é verdade. Depressão é uma doença e, com certeza, todos os que sofrem desse mal não gostariam de estar nesta situação. 

Assumir a depressão chega a ser humilhante, pois, além de tudo, épreciso consultar um psiquiatra; daí, outro preconceito: psiquiatra é “médico de louco”. Eu costumo dizer que, na verdade, é para não ficar louco!

O maior risco da depressão é camuflá-la. Quanto mais tempo demoramos para buscar ajuda, mais sofrimento enfrentamos. Partilho aqui, com vocês, a minha experiência:

Há vários anos, quando partilhava minha vida com Irmã Lucimar, em Londrina (PR), percebi que seu semblante mudou, e ela me disse: "Carla, eu tenho a impressão de que você está depressiva, mas não posso afirmar, porque somente um psiquiatra pode dar o diagnóstico correto". Pronto. Meu mundo caiu! Como assim? Logo eu? Uma missionária da Comunidade Canção Nova, há tantos anos, poderia estar com depressão?

Assim que o choque passou, comecei a me analisar. Tenho pai e mãe depressivos, então, seria difícil fugir desta realidade. Chegando a Cachoeira Paulista (SP), procurei um psiquiatra que, a princípio, diagnosticou uma bipolaridade. Iniciei o tratamento com medicação, mas logo ele foi interrompido, pois engravidei da Sofia. Mais uma vez, meu mundo caiu! Como conduzir uma gravidez, aos 38 anos, depressiva e sem medicação?

Foi aí que Deus me mostrou Sua grandiosidade. Foi à melhor gravidez que vivi, sem nenhum problema! A Sofia nasceu, no final das 40 semanas de gestação, de parto normal.

Passado um tempo, resolvi retomar o tratamento, mas quis trocar de médico, uma vez que não me via bipolar, pois não sentia os picos de euforia. Busquei outro profissional  e ele me diagnosticou com “distimia” (depressão crônica, de intensidade moderada); ela não tem cura, mas é controlável.  

Hoje, esta é a minha realidade. Sei da enfermidade e faço tratamento com medicação e psicoterapia; além de me esforçar para fazer uma atividade física, o que acho muito difícil. É preciso um esforço sobrenatural, mas consigo conviver bem, no dia a dia, e ter mais qualidade de vida: pessoal, familiar, comunitária e profissional.

Há dias em que dá aquela tristeza da alma, vontade de não fazer nada, mas sei o quanto ists não me fará bem e dou uma resposta diferente. Há dias também que necessitamos fazer algo diferente, algo só nosso, sair sozinha, comer algo que tem vontade, etc. Não é feio ter desejos e necessidades, muito menos pensar em nós de vez em quando. Pelo contrário, nos faz bem.

Não posso deixar de relatar aqui a colaboração da família e dos amigos mais próximos. O que mais nos faz bem é sermos acolhidos naquilo que estamos vivendo, sabermos que não somos peso, e que todos, a seu modo, preocupam-se e querem nos ajudar.

Por isso, se você, hoje, descobriu ou foi diagnosticada (o) com depressão, não se desespere! É possível conviver com ela, basta buscar ajuda profissional apropriada. Tem jeito! Mas do jeito de Deus; não do meu!
Carla Astuti
A partir do Portal Canção Nova. Leia no original
Compartilhe no Google Plus

Nota : Editor

Volte sempre.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

6 comentários:

  1. Que vídeo lindo! As palavras do Padre Eliano me fizeram chorar de emoção. Que as pessoas percebam que quem está em depressão não escolheram isso e não merecem serem estigmatizadas ou julgadas por estarem doentes, antes, precisam de ajuda e acolhimento. A nós depressivos, a luta pela cura, aos sadios um convite e uma oportunidade de ajudarem o próximo. Parabéns Flávia, parabéns aos seus familiares e amigos, parabéns pelo seu testemunho, pela sua força e fé, que certamente irão ajudar muitas pessoas.

    ResponderExcluir
  2. anônimo:Nada contra psicólogo ou psiquiatra,mas você fica cada vez mais deprimido indo em psicólogos ou psiquiatra não sou contra o serviço deles mas eu acho que eles se metem muito na vida das pessoas,essa é a minha opinião você pode até descordar.

    ResponderExcluir
  3. anônimo:Eu não ofendi nem um psicólogo ou psiquiatra eu só falei a verdade é o que eu penso,nada contra o trabalho deles eles querem ajudar e acabam falando de mais.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo:Quais os sintomas da depressão isso causa enformígamento eu sei que o senhor não é medico,mas talvez pode me ajudar.

    ResponderExcluir
  5. anônimo:Tenho uma prima que quando ela tem crise de depressão ela corre completamente nua na rua,oque faço tenho medo de ela ser abusada ela tem apenas 12 anos de idade.

    ResponderExcluir
  6. anônimo:por favor me ajude eu tenho uma prima de 12 anos de idade e ela quando te crise de depressão tira toda a roupa na rua e fica completamente nua tenho medo dela ser estuprada e quando queremos ajudar ela quer bater na gente.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Quero Morrer é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.