SUICÍDIO DE IDOSOS: SOFRIMENTO FAMILIAR E PREVENÇÃO

Para apresentar e discutir os resultados da pesquisa É possível prevenir a antecipação do fim? Suicídio de idosos no Brasil e possibilidade de atuação do setor saúde, o Centro Latino-Americano de Estudos de Violência e Saúde Jorge Careli (Claves/ENSP) realizou o I Seminário Nacional sobre Prevenção de Suicídio de Pessoas Idosas. Durante os três dias de atividades, os participantes debateram, entre outros temas, visão epidemiológica sobre o suicídio de idosos, perspectiva de gênero em relação ao suicídio, o impacto do ato suicida na família, fatores de risco e prevenção de suicídio de idosos. Confira na Biblioteca Multimídia da ENSP as apresentações do seminário.

“Este seminário nos fez refletir sobre um tema que atravessa várias áreas disciplinares e foi tratado por meio de uma pesquisa realizada no período de dois anos e financiada pelo programa Inova-ENSP, que incentiva e apoia investigações de temas novos que possam contribuir, estrategicamente, para o avanço da saúde pública”, destacou a coordenadora da pesquisa, Cecília Minayo. A pesquisa de âmbito nacional deu origem ao volume 17, número 8 da Revista Ciência e Saúde Coletiva, com diversos artigos sobre o suicídio de idosos no Brasil.



Na ocasião, Ana Elisa Bastos Figueiredo, pesquisadora do Claves e participante do estudo, ressaltou que o suicídio não ocorre em uma relação lateral, e sim sempre numa relação bilateral. Ana Elisa é autora, com Raimunda Magalhães da Silva, professora da Universidade de Fortaleza (Unifor), do artigo intitulado "O impacto do suicídio da pessoa idosa em suas famílias". Elas apontaram que o suicídio tem consequências impactantes nos grupos sociais mais próximos das pessoas que cometem o ato suicida, nesse caso o grupo familiar. “O caso de suicídio é uma realidade da qual ninguém sai ileso, além da família, todos que estão em volta sofrem.” Para explicar a relação de sofrimento das famílias, as pesquisadoras citaram o cruzamento entre a dinâmica e a estrutura familiar, procurando buscar como as famílias entendem o ato suicida.

O conceito de dinâmica familiar foi explicado como as condutas e ações sustentadas em uma normatividade estabelecida, que permeiam a vida cotidiana dos membros de um grupo. O padrão organizado dentro do qual os membros da família interagem é visto como a estrutura familiar. Elas explicaram ainda a trajetória metodológica do estudo de âmbito nacional que teve abordagem qualitativa. Ana Elisa e Raimunda apresentaram histórias contadas pelos familiares dos idosos e ressaltaram a importância de compreender a atmosfera em que ocorreu o ato suicida e mostrar as fraturas que ficam entre os familiares.



Foram entrevistadas cerca de 50 famílias que possuíam desde nível superior a nenhum grau de escolaridade, residentes da zona rural ou procedentes dela, de diversas religiões, com predomínio da católica, e os mais diversos níveis de ocupação, desde servidores públicos, agricultores e autônomos a vendedor ambulante e trabalhadores rurais. No estudo, foram apresentados ainda os núcleos de sentido, que dizem respeito ao que fica para as famílias. Cinco descritores foram apontados nos núcleos de sentido: sentimento de culpa pelo ato suicida do familiar idoso; isolamento social e suas manifestações na saúde; estigma, preconceito social e crença na improbabilidade do ato; raiva e sofrimento familiar; e superação e atenção aos familiares.

Outro ponto explorado pela pesquisa foi em relação à atenção do setor saúde para esses casos. De acordo com dados citados no artigo, 67% ou mais de idosos que cometeram suicídio estavam em atendimento em serviços de atenção primária nos últimos 30 dias de vida e até meia semana antes de cometerem o ato. Por fim, as pesquisadoras afirmaram que é preciso intensificar programas de atenção ao idoso e seus familiares no sistema de saúde e fortalecer os programas sociais e psicológicos entre os familiares. “Capacitar profissionais em todos os níveis de atenção, principalmente na atenção básica, para dar suporte aos idosos e suas famílias e desvelar o mito do suicídio entre os diversos atores que mantêm vínculo com o idoso são ações muito importantes no combate ao suicídio”, concluíram.

Para debater o artigo "Autópsia psicológica e psicossocial sobre suicídio de idosos: abordagem metodológica", Fátima Gonçalves Cavalcante, professora da Universidade Veiga de Almeida e também coordenadora da pesquisa É possível prevenir a antecipação do fim?, esteve presente no evento. Fátima explicou que a autópsia psicológica é um tipo de estudo retrospectivo que reconstitui o status da saúde física e mental e as circunstanciais sociais das pessoas que se suicidaram, a partir de entrevistas com familiares e informantes próximos às vítimas. O objetivo da apresentação da professora foi apresentar a metodologia de autópsia psicológica e psicossocial, além de expor os primeiros recortes que o estudo produziu.

De acordo com a professora, a maior parte das famílias quer conversar sobre o suicídio. Por isso, é muito importante abrir espaços de escuta, ressaltando a atuação dos profissionais de saúde, para beneficiar as famílias. Em seguida, a professora citou que o ponto forte da autópsia psicológica e psicossocial está na contextualização dos dados da história psicológica e psicossocial das pessoas estudadas e na possibilidade de se mostrar uma série de circunstâncias e nuances que grandes estudos epidemiológicos ou populacionais não conseguem apontar. Por fim, Fátima apresentou os formatos de entrevista, a construção dos roteiros, ficha de identificação e genograma.



Fatores de risco, prática e teoria da prevenção e experiência exitosa

O último de dia do seminário abordou os fatores de risco e a prevenção de suicídio de idosos, e a prática e a produção de conhecimento sobre a prevenção de suicídio. Também apresentou a experiência exitosa do caso de Candelária, no Rio Grande do Sul. "Fatores de Risco e Prevenção de Suicídio de Idosos" foi o tema do artigo escrito pelo médico da Sociedade Cubana de Psiquiatria Sergio Perez. Segundo ele, os fatores de risco são aqueles que facilitam o surgimento ou desenvolvimento de um estado mórbido; no caso de suicídio, são aqueles que aumentam, facilitam ou promovem a ocorrência do ato suicida.



Em sua exposição, o médico descreveu os fatores de risco para o suicídio em idosos, entre os quais estão a depressão, o abuso e os fatores médicos, psicológicos e sociais. De acordo com Perez, os fatores de risco possuem as seguintes características: individuais, genéricos, historicamente determinados, associados a cultura e geracionais. Além disso, existem os fatores de risco pessoais, familiares e socioambientais. Sergio Perez ofereceu ainda um guia prático para avaliar o risco de suicídio em idosos.

Em seguida, Marta Conte, também pesquisadora do estudo, apresentou a prática e a produção de conhecimento sobre a prevenção de suicídio de idosos. Segundo Marta, nas teorias de prevenção, as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) são, em linhas gerais, quanto à identificação do problema, às abordagens, às formas de comunicação fatos e ficção, às articulações de retaguarda e às formas de encaminhamento. No entanto, essa não é a realidade do cotidiano na relação entre o profissional de saúde e o paciente.


De acordo com Marta Conte, a rede de saúde deve ser vista como um local de conexão envolvendo o sujeito idoso na linha de cuidado (desenha o itinerário que o usuário faz por dentro de uma rede de saúde). Em seguida, Marta falou das condições para acolhimento na linha de cuidado, com destaque para a hospitalidade. “É preciso considerar o que é risco para cada um e como exercer o autocuidado, construindo, a partir daí, estratégias para isso. Apenas agir com flexibilidade não suprime o estabelecimento de algumas combinações”, afirmou.

Finalizando as exposições, a coordenadora do Centro de Atenção Psicossocial (CAP) de Candelária, Rio Grande do Sul, Aline Trindade, apresentou dados da experiência exitosa do CAP. Inicialmente, Aline contextualizou o problema. De acordo com ela, estima-se que anualmente 1 milhão de pessoas no mundo cometem suicídio, são cerca de dez tentativas para cada suicídio consumado. A cada 40 segundos, uma pessoa comete suicídio no mundo e, a cada quatro segundos, alguém tenta contra a própria vida no mundo. “O Rio Grande do Sul é o estado brasileiro com maior percentual de suicídios. "A cada dia, três pessoas se matam no estado. Para cada morte, 30 tentativas ocorrem”, advertiu.



Em seguida, Aline falou sobre o Programa de Prevenção ao Suicídio, que reduziu significativamente os números de suicídios na região. De acordo com a coordenadora, as estratégias de prevenção do Programa foram baseadas na estruturação dos profissionais envolvidos nas oficinas; na prioridade do grupo de risco, ou seja, pacientes com tentativas de suicídio; na sensibilização da rede sobre a realidade do município e aplicação de ações de prevenção; e na capacitação de profissionais e locais envolvidos.

Aline afirmou também que, mesmo com a avaliação e o tratamento adequado, os suicídios ocorrem e causam forte impacto sobre os profissionais envolvidos. “O objetivo do trabalho de prevenção é obter um bom índice dentro dos padrões epidemiológicos. É preciso sempre aplicar ações que facilitem o programa identificando e tratando transtornos mentais, por exemplo, conversando francamente sobre o assunto e acompanhando adequadamente pacientes que já tiveram tentativas de suicídio”, finalizou.

Tatiane Vargas 
A partir do Informe ENPS Fiocruz. Leia no original

Compartilhe:

Um comentário :

  1. Lindo o texto! Mas a verdade é que a velhice é uma tristeza! TODO idoso sabe disso! A velhice é uma indignidade, na maioria dos casos! Respeito os idosos, mas considero a velhice uma das maiores tristezas da humanidade. Não quero ficar velho! Prefiro morrer jovem! O velho, na mioria das vezes, fica dependente, perde a autonomia e, se não deseja viver, tem todo o direito de morrer (ainda que seja pelo suicídio). Bonito falar de idoso, como uma coisa linda, para quem nunca ficou idoso, para quem não tem derramme, alzaimer, parkison, etc.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Quero Morrer é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.

 
Copyright © QUERO MORRER. . OddThemes