Recentes :

A cada 30 segundos, alguém no mundo comete suicídio. Seis em cada dez adolescentes pensam sobre isso. Um em cada dez tenta efetivamente o suicídio. Kristen Anderson entrou para essa estatística. Ela foi a "um" em dez. Mas ao contrário de muitas pessoas que tentam o suicídio e consumam o ato, Kristen sobreviveu. 

Depois de ter sido estuprada e perder uma avó e três grandes amigos em dois anos, a americana Kristen Anderson decidiu pôr fim à própria vida. 

Aos 17 anos, ela começou a se jogar contra trens de carga que passavam perto da casa onde morava. Um dia foi violentamente atingida por uma composição e teve as pernas decepadas. Os médicos tentaram reimplantá-las, mas não conseguiram. 

Mesmo com uma segunda chance na vida, os três anos seguintes foram difíceis. Medicamentos, cirurgias, depressão e mais pensamentos de suicídio fizeram parte desse período. Depois de uma série de cirurgias, foi-lhe dito que provavelmente estaria confinada a uma cadeira de rodas para o resto de sua vida. "Eu só comecei a clamar a Deus e, pela primeira vez, eu perguntei por que ele iria me manter aqui, por que Ele iria me querer, mesmo sem as minhas pernas", diz ela. 

Mas a mesma jovem que questionava a existência de Deus acabou fundando o grupo Reaching You Ministries, onde ajuda pessoas que veem no suicídio a única saída para as suas vidas a repensarem e desistirem dessa ideia. 

A partir do site RN. Leia no original
Compartilhe no Google Plus

Nota : Editor

Volte sempre.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

  1. realmente eu nao entendo. desde crianca me questiono do porque estou aqui e nao tenho resposta. ja tentei suicidio e agora com 33 anos e com problemas nos rins, minha vontade de morrer so almenta. nao tem pra que viver assim.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Quero Morrer é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.