MEU PASSADO ME PERSEGUE E ME TORTURA


"Vivo em tristeza, pois o meu passado me persegue e me tortura. Separação dos pais desde os quatro anos, padrasto que bebia, batia em minha mãe. Passávamos fome, pois tudo ia para o álcool, abuso sexual, e sempre com o 'direito' de permanecermos calados, pois minha própria mãe assim exigia que meu pai não soubesse de nada. Eu ia pra casa do meu pai e nunca quis voltar pra casa, pois com ele tinha amor, compreensão, carinho e alimento. 

Depois que meu pai faleceu de câncer, há cerca de quatro anos,  senti que minha vida acabou, pois o homem que me olhava com olhar terno, acariciava meu rosto com o mais puro amor paterno, não estava mais presente pra me dar colo, carinho. O homem que me amava por eu simplesmente existir, por eu respirar... 

Essa pessoa que habita em mim é só metade do que já fui. A outra foi sepultada com ele. Como me livrar de tamanhas feridas? Já tentei de todas as maneiras, mas tudo isso de minha infância vêm na minha cabeça como um flash. Eu não quero lembrar, mas minha mente teima em reviver isso. Não consigo esquecer, vivo a base de antidepressivos e calmante. As vezes, tenho ataque de muita fúria, sou tomada pelo ódio, ódio por meu pai ter morrido, ódio por minha mãe, que permitiu tudo isso em nome do amor dela. E o amor a nós, filhos???? Porque ela não me amou como meu pai me amou? Esse mesmo ódio se transforma em culpa por sentir isso... parece que sou culpada de ter nascido, parece que minha vida aqui é um tremendo equivoco. Às vezes sinto que a culpada de toda essa droga de vida é minha. Sinto que vou desaparecer tamanha dor que sinto em meu peito..."
Comentário em Cicatrizes do Passado

Compartilhe:

4 comentários :

  1. Sinto me tantas vezes assim com sufoco, sem poder respirar. Meu coração doí também meu passado persegue-me. Vivo numa agonia diária, que posso eu fazer ?

    ResponderExcluir
  2. Oi eu não tive pai, sou filha de mãe solteira que também não me queria, me deixou na casa de uma família macumbeira onde sofri abusaram do dono da casa e do vizinho da casa eu tinha uns 4 anos; E quando ele começava a me puxar eu corria pra grade no quintal e lá eu grudava no ferro, ele me arrancava no chicote, era um desespero eu queria morrer, eu sabia o que ele ia fazer comigo, depois ele me trancava no quarto escuro e dizia para a mulher dele que ele me deu uns tapa e me pôs de castigo porque eu desobedeci às ordens dele; Eu chorava baixinho no quarto escuro e perguntava porque eu Deus.
    Aos 6 anos resolvi abrir a porta para fugir qual foi a minha surpresa, ele me pegou e me arrebentou no chicote e mandou a mulher dele ligar para a minha mãe, eu fiquei feliz e pensei vou falar para minha mãe, qual foi a minha surpresa ela chegou e me pegou pelo pescoço, quase me jogou pela janela do sobrado, eu lembro até hoje cena, ela também me bateu, corri para o banheiro e tranquei a porta, ela batia e gritava, ai eu escutei o homem e a sua mulher dizer pronto Maria deixa ela ai, vai embora você ta muito nervosa, eu a vi indo embora, eu disce porque mãe você fez isto comigo porque.
    Não sei dizer quanto tempo ou dias se passaram, eu sei que ela me levou para passar o final de semana no trabalho dela e quando ela foi me dar banho viu muitas marcas no meu corpo e me perguntou quem fez aquilo eu disce que eles e ela fez aquilo, ela perguntou eles te batem com o que, eu respondi eles sempre me batem com aquela corda que fica na parede, foi ai que eu fiquei sabendo que era um chicote.
    Bom em resumo ela brigou com eles e no final me colocou no internato que esta família macumbeira arrumou e eu continuei sofrendo, cresci revoltada com a vida, principalmente com ela que deveria me proteger e nada fez, não confio em ninguém, fui para a igreja dos Mórmons para não fazer nenhuma besteira, sempre conversei com Deus que colocasse uma pessoa que me amasse de verdade e me fizesse feliz com os meus filhos e que nunca mais eu sofresse nesta vida e que um dia eu seria alguém, não um nada como sempre escutei inclusive da minha própria mãe, ela também me bateu muito quando sai do internato qualquer coisinha tipo se o vizinho falasse eu vi a sua filha com um rapaz no farol pronto eu chegava ela me agarrava e arrebentava com fivela de sinto, vassoura e etc...

    Consegui realizar tudo que conversei com Deus, claro fui a traz, procurei não deixar o passado acabar com a minha vida, afinal eu sempre digo que se a gente veio nesta vida é para ser feliz; Mas uns 2 anos pra cá eu me pergunto qual é a minha missão com essa senhora, que não me deu nada alem de dor, sofrimento e nunca me quis, e agora quer pousar de boa mãe para os outros que não a conhece; Ela vivia dizendo que queria um canto para passar a velhice quando se aposentasse, mas a patroa dela disce que não pagaria o INSS dela, ela muito cara de pau disce que eu tinha a obrigação de pagar, o meu marido muito meu companheiro graças a Deus, disce que era merreca e pagamos uns 12 anos; Conversando com o meu marido chegamos na seguinte conclusão que deveríamos comprar uma casa no interior porque eu não agüentava mais escutar ela reclamando de tudo, ele até falou afinal tudo que estamos construindo é para os nossos filhos.
    Compramos a casa mas não adiantou nada, ela continua me perturbando, eu cheguei num ponto que não quero ir mais vela eu entro em desespero, fico irritada sem paciência, fico até deprimida, porque cada vez que ela reclama me vem o passado inteiro naquele momento eu fico com tanta raiva que eu tenho vontade de sumir da vida dela; Eu antes saia com as minhas amigas, brincava com os meus filhos eu adorava correr e agora não tenho vontade de mais nada, isto é pra você ver que temos que viver com os nossos bichos pelo resto de nossas vidas e não tem remédio ou terapia que nos ajude!!!
    Se alguém tiver o antídoto nos avise, pois queremos ser pessoas normais, será que existe pessoas normais e felizes!




    ResponderExcluir
  3. Oi, não sei quantos anos você tem, mais já passei dos 40 e sei exatamente o que você está dizendo.
    Sou filha de mãe solteira que também não me queria, me deixou na casa de uma família macumbeira onde sofri abusaram do dono da casa e do vizinho da casa eu tinha uns 4 anos; E quando ele começava a me puxar eu corria pra grade no quintal e lá eu grudava no ferro, ele me arrancava no chicote, era um desespero eu queria morrer, eu sabia o que ele ia fazer comigo, depois ele me trancava no quarto escuro e dizia para a mulher dele que ele me deu uns tapa e me pôs de castigo porque eu desobedeci às ordens dele; Eu chorava baixinho no quarto escuro e perguntava porque eu Deus.
    Aos 6 anos resolvi abrir a porta para fugir qual foi a minha surpresa, ele me pegou e me arrebentou no chicote e mandou a mulher dele ligar para a minha mãe, eu fiquei feliz e pensei vou falar para minha mãe, qual foi a minha surpresa ela chegou e me pegou pelo pescoço, quase me jogou pela janela do sobrado, eu lembro até hoje cena, ela também me bateu, corri para o banheiro e tranquei a porta, ela batia e gritava, ai eu escutei o homem e a sua mulher dizer pronto Maria deixa ela ai, vai embora você ta muito nervosa, eu a vi indo embora, eu disce porque mãe você fez isto comigo porque.
    Não sei dizer quanto tempo ou dias se passaram, eu sei que ela me levou para passar o final de semana no trabalho dela e quando ela foi me dar banho viu muitas marcas no meu corpo e me perguntou quem fez aquilo eu disce que eles e ela fez aquilo, ela perguntou eles te batem com o que, eu respondi eles sempre me batem com aquela corda que fica na parede, foi ai que eu fiquei sabendo que era um chicote.
    Bom em resumo ela brigou com eles e no final me colocou no internato que esta família macumbeira arrumou e eu continuei sofrendo, cresci revoltada com a vida, principalmente com ela que deveria me proteger e nada fez, não confio em ninguém, fui para a igreja dos Mórmons para não fazer nenhuma besteira, sempre conversei com Deus que colocasse uma pessoa que me amasse de verdade e me fizesse feliz com os meus filhos e que nunca mais eu sofresse nesta vida e que um dia eu seria alguém, não um nada como sempre escutei inclusive da minha própria mãe, ela também me bateu muito quando sai do internato qualquer coisinha tipo se o vizinho falasse eu vi a sua filha com um rapaz no farol pronto eu chegava ela me agarrava e arrebentava com fivela de sinto, vassoura e etc...

    Consegui realizar tudo que conversei com Deus, claro fui a traz, procurei não deixar o passado acabar com a minha vida, afinal eu sempre digo que se a gente veio nesta vida é para ser feliz; Mas uns 2 anos pra cá eu me pergunto qual é a minha missão com essa senhora, que não me deu nada alem de dor, sofrimento e nunca me quis, e agora quer pousar de boa mãe para os outros que não a conhece; Ela vivia dizendo que queria um canto para passar a velhice quando se aposentasse, mas a patroa dela disce que não pagaria o INSS dela, ela muito cara de pau disce que eu tinha a obrigação de pagar, o meu marido muito meu companheiro graças a Deus, disce que era merreca e pagamos uns 12 anos; Conversando com o meu marido chegamos na seguinte conclusão que deveríamos comprar uma casa no interior porque eu não agüentava mais escutar ela reclamando de tudo, ele até falou afinal tudo que estamos construindo é para os nossos filhos.
    Compramos a casa mas não adiantou nada, ela continua me perturbando, eu cheguei num ponto que não quero ir mais vela eu entro em desespero, fico irritada sem paciência, fico até deprimida, porque cada vez que ela reclama me vem o passado inteiro naquele momento eu fico com tanta raiva que eu tenho vontade de sumir da vida dela; Eu antes saia com as minhas amigas, brincava com os meus filhos eu adorava correr e agora não tenho vontade de mais nada, isto é pra você ver que temos que viver com os nossos bichos pelo resto de nossas vidas e não tem remédio ou terapia que nos ajude!!!
    Se alguém tiver o antídoto nos avise, pois queremos ser pessoas normais, será que existe pessoas normais e felizes!

    ResponderExcluir
  4. Oi, não sei quantos anos você tem, mais já passei dos 40 e sei exatamente o que você está dizendo.
    Sou filha de mãe solteira que também não me queria, me deixou na casa de uma família macumbeira onde sofri abusaram do dono da casa e do vizinho da casa eu tinha uns 4 anos; E quando ele começava a me puxar eu corria pra grade no quintal e lá eu grudava no ferro, ele me arrancava no chicote, era um desespero eu queria morrer, eu sabia o que ele ia fazer comigo, depois ele me trancava no quarto escuro e dizia para a mulher dele que ele me deu uns tapa e me pôs de castigo porque eu desobedeci às ordens dele; Eu chorava baixinho no quarto escuro e perguntava porque eu Deus.
    Aos 6 anos resolvi abrir a porta para fugir qual foi a minha surpresa, ele me pegou e me arrebentou no chicote e mandou a mulher dele ligar para a minha mãe, eu fiquei feliz e pensei vou falar para minha mãe, qual foi a minha surpresa ela chegou e me pegou pelo pescoço, quase me jogou pela janela do sobrado, eu lembro até hoje cena, ela também me bateu, corri para o banheiro e tranquei a porta, ela batia e gritava, ai eu escutei o homem e a sua mulher dizer pronto Maria deixa ela ai, vai embora você ta muito nervosa, eu a vi indo embora, eu disce porque mãe você fez isto comigo porque.
    Não sei dizer quanto tempo ou dias se passaram, eu sei que ela me levou para passar o final de semana no trabalho dela e quando ela foi me dar banho viu muitas marcas no meu corpo e me perguntou quem fez aquilo eu disce que eles e ela fez aquilo, ela perguntou eles te batem com o que, eu respondi eles sempre me batem com aquela corda que fica na parede, foi ai que eu fiquei sabendo que era um chicote.
    Bom em resumo ela brigou com eles e no final me colocou no internato que esta família macumbeira arrumou e eu continuei sofrendo, cresci revoltada com a vida, principalmente com ela que deveria me proteger e nada fez, não confio em ninguém, fui para a igreja dos Mórmons para não fazer nenhuma besteira, sempre conversei com Deus que colocasse uma pessoa que me amasse de verdade e me fizesse feliz com os meus filhos e que nunca mais eu sofresse nesta vida e que um dia eu seria alguém, não um nada como sempre escutei inclusive da minha própria mãe, ela também me bateu muito quando sai do internato qualquer coisinha tipo se o vizinho falasse eu vi a sua filha com um rapaz no farol pronto eu chegava ela me agarrava e arrebentava com fivela de sinto, vassoura e etc...

    Consegui realizar tudo que conversei com Deus, claro fui a traz, procurei não deixar o passado acabar com a minha vida, afinal eu sempre digo que se a gente veio nesta vida é para ser feliz; Mas uns 2 anos pra cá eu me pergunto qual é a minha missão com essa senhora, que não me deu nada alem de dor, sofrimento e nunca me quis, e agora quer pousar de boa mãe para os outros que não a conhece; Ela vivia dizendo que queria um canto para passar a velhice quando se aposentasse, mas a patroa dela disce que não pagaria o INSS dela, ela muito cara de pau disce que eu tinha a obrigação de pagar, o meu marido muito meu companheiro graças a Deus, disce que era merreca e pagamos uns 12 anos; Conversando com o meu marido chegamos na seguinte conclusão que deveríamos comprar uma casa no interior porque eu não agüentava mais escutar ela reclamando de tudo, ele até falou afinal tudo que estamos construindo é para os nossos filhos.
    Compramos a casa mas não adiantou nada, ela continua me perturbando, eu cheguei num ponto que não quero ir mais vela eu entro em desespero, fico irritada sem paciência, fico até deprimida, porque cada vez que ela reclama me vem o passado inteiro naquele momento eu fico com tanta raiva que eu tenho vontade de sumir da vida dela; Eu antes saia com as minhas amigas, brincava com os meus filhos eu adorava correr e agora não tenho vontade de mais nada, isto é pra você ver que temos que viver com os nossos bichos pelo resto de nossas vidas e não tem remédio ou terapia que nos ajude!!!
    Se alguém tiver o antídoto nos avise, pois queremos ser pessoas normais, será que existe pessoas normais e felizes!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Quero Morrer é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.

 
Copyright © QUERO MORRER. . OddThemes