Recentes :

O SUICÍDIO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO

Imagem: por epSos.de
Há dez dias Aaron Swartz se suicidou. Ele tinha 26 anos. Em pouco tempo de vida, suas contribuições para o mundo digital foram significativas: aos 14 anos, foi um dos inventores do RSS, formato que liberta o conteúdo das páginas web. Mais tarde foi co-fundador do agregador de notícias colaborativas Reddit e do grupo ativista DemandProgress. Figura importante na luta pela liberdade da informação na rede, foi uma voz forte no combate às propostas de restrição SOPA e PIPA.

Nas fotos que circularam o mundo ele mostra um sorriso confiante, desafiador, com jeito de roqueiro. Mas a pose escondia uma personalidade atormentada pela depressão, agravada pelo processo judicial que enfrentava. Seu crime? Baixar clandestinamente trabalhos acadêmicos do repositório JSTOR e outras pequenas transgressões, nada muito grave. Como Swartz era um ativista, a lei resolveu pegar pesado com ele e o acusou de criminoso, alegando 13 contravenções diferentes.

Uma grande batalha jurídica é, no mínimo, estressante. Ela consome tempo e recursos que não são devolvidos. Mas não é o fim do mundo, ainda mais depois que casos mais graves como o do aplicativo de troca de músicas NAPSTER, do repositório de conteúdo ilegal The PirateBay e do super hacker Kevin Mitnick já tinham passado. Para Aaron Swartz, no entanto, ela foi o motivo derradeiro para transformar sua vida triste em uma morte exemplar, um manifesto. Em poucas horas, de relativamente desconhecido, popular somente entre alguns círculos técnicos, ele se tornou célebre e chamou a atenção para sua causa, criando constrangimentos ao sistema penal americano e à defesa da propriedade intelectual.

Seu tiro, no entanto, pode sair pela culatra. Há 110 anos o jovem filósofo Otto Weininger se suicidou na casa em que seu ídolo Beethoven tinha morrido. Sua morte dramática transformou seu livro "Sexo e Caráter" em best-seller, influenciando intelectuais como Wittgenstein, Kafka e James Joyce até chegar às mãos da propaganda Nazista. Oportunistas, os nazis perceberam que poderiam usar trechos do texto para difundir com clareza argumentos racistas, anti-semitas e misóginos. Morto, o autor não teve como se defender e entrou para a história como mentor intelectual do genocídio, mesmo que não haja como provar qualquer vínculo.

Há quem considere haver no suicídio uma certa nobreza, um tal "suicide chic". Inspirados por Kurt Cobain, Sid Vicious, Ian Curtis, Yukio Mishima, Hunter Thompson, Virginia Woolf, Hemingway, Maiakóvski, van Gogh ou tantos outros, alguns jovens buscam na morte uma conexão com seus heróis e a popularização de seu discurso. Esquecem de levar em conta que foi a obra, não a morte, que lhes garantiu a notoriedade. E que, vivos, poderiam ter feito muito mais.

Da mesma forma que certos artistas não conseguiram dar conta de suas demandas, expectativas e insegurança e acabaram vítimas de severa depressão ou dependentes de álcool e drogas pesadas, gente comum sofre em uma sociedade de consumo e entretenimento, que exige desempenhos cada vez maiores e cujos valores morais vem se esgarçando. Para os desesperados o suicídio é a solução final, o meme extremo, o viral único, a resistência verdadeiramente original de quem acredita deixar a vida para entrar na história.

Via redes sociais, alguns se despedem enquanto outros viram notícia entre um desabafo, uma foto de pé e um link divertido. Na grande galeria online, os mortos sobrevivem como parte do espetáculo, a um clique de distância de um Gangnam Style ou de um massacre na Síria.

Na vitrine social tudo é meio amortecido, anestesiado. O público se distancia do que vê e filtra como pode, assimilando os fatos de maneira fria e cruel. Mais tarde, em retrospecto, talvez sinta algum remorso. Talvez isso só aconteça se a próxima vítima for alguém realmente conhecido. Por enquanto é apenas parte de um grande espetáculo. O show precisa continuar, mesmo que alguém morra na contramão atrapalhando o Sábado.

Luli Radfahrer
 Professor-doutor de Comunicação Digital da ECA (Escola de Comunicações e Artes) da USP há 19 anos. Trabalha com internet desde 1994 e já foi diretor de algumas das maiores agências de publicidade do país. Hoje é consultor em inovação digital, com clientes no Brasil, EUA, Europa e Oriente Médio. Autor do livro "Enciclopédia da Nuvem", em que analisa 550 ferramentas e serviços digitais para empresas. Mantém o blog www.luli.com.br, em que discute e analisa as principais tendências da tecnologia. A partir da Folha de S.Paulo. Leia no original.
Compartilhe no Google Plus

Nota : Editor

Volte sempre.
    Comente
    Comente no Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Quero Morrer é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.